É capaz de valer a pena explicar as diferenças entre Realidade Aumentada e Realidade Virtual. E vou socorrer-me de uma explicação muito básica, mas que funciona, e que encontrei num canal espanhol da especialidade.
 
Vamos começar por definir o conceito de Realidade Aumentada como a tecnologia que em tempo real sobrepõe informação digital à realidade através de um qualquer dispositivo.
 
É bom que distingamos a Realidade Aumentada da Realidade Virtual. Ela não substitui a realidade física (como acontece na "virtual"): acrescenta apenas informação digital ao mundo real, ao vivo e em direto, reconhecendo o meio que a rodeia. A Realidade Aumentada tem infinitas aplicações. Na verdade, depende única e exclusivamente da imaginação dos próprios criadores.
 
Ainda assim, os principais âmbitos da Realidade Aumentada poderão passar pela Publicidade, permitindo ao consumidor experimentar uma marca como nunca, interagindo de formas completamente novas com os seus produtos.
 
Também pela Arquitetura, com a construção de protótipos e maquetas à escala, que de outra forma seriam extraordinariamente caras. De resto há marcas, como a IKEA, que já permitem que visualizemos os seus móveis com esta tecnologia para percebermos que tal ficam em nossa casa.
 
No Ensino, as aplicações de Realidade Aumentada podem trazer aos alunos novas formas de aprendizagem mais participativas e divertidas.
 
Na Medicina, os profissionais vão poder recorrer à Realidade Aumentada para aceder a imagens anotadas ou praticar cirurgias assistidas.
 
Nos Espetáculos, a Realidade Aumentada poderá servir para saber mais sobre o que estamos ver: se estamos por exemplo num jogo de futebol, podemos ir recebendo as estatísticas sobre os passes, o tempo de posse da bola, os remates, ou qualquer outra informação que seja relevante.
 
E no que concerne às Línguas Estrangeiras, é possível percebermos qualquer texto, qualquer que seja o idioma, apontando simplesmente a câmara ao papel ou ao rótulo com as palavras que desconhecemos, para as vermos traduzidas na hora.
 
A Realidade Aumentada também pode trazer evoluções ao Mundo Automóvel, nomeadamente com apoio à condução, como por exemplo nas manobras de estacionamento. Há inclusivamente marcas como a Toyota que estão a trabalhar num protótipo de Realidade Aumentada para as janelas traseiras que permitiriam entreter os passageiros com informação diversa justaposta à paisagem, sem nunca afetar o condutor.
 
É claro que a Realidade Aumentada terá um papel fundamental no Entretenimento, com guias turísticos nos museus, visitas guiadas às cidades, ou videojogos mais envolventes, entre muitas outras possibilidades.
 
Estamos portanto perante uma tecnologia que pode parecer ficção científica mas que está na ordem do dia, e que em 2017 pode chegar aos 2,5 milhões de downloads, de acordo com um estudo da Juniper Research.