Será possível ter plásticos que sejam mais amigos do ambiente? Cientistas estão a tentar que sim, criando plásticos a partir de compostos orgânicos, como um solvente derivado de uma planta. É o que revela um estudo conhecido esta sexta-feira, na publicação Science Advances.

Uma equipa do centro de investigação de bioenergia Great Lakes da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, usou gama-Valerolactona, um líquido incolor, para desenvolver uma forma económica e rentável de produzir ácido furandicarboxílico, um composto químico precursor de um plástico renovável chamado polietileno-furanoato, cita a Lusa.

O processo de fabrico utilizado começa com frutose, que é convertida em ácido furandicarboxílico num sistema solvente em que uma parte é constituída pelo líquido gama-Valerolactona e outra por água.

Para os cientistas, este processo tem vantagens:

  • não requer ácidos minerais dispendiosos na catálise 
  • não produz resíduos de sais
  • permite separar os cristais de ácido furandicarboxílico do solvente

Empresas como a Coca-Cola, a Heinz e a Nike comprometeram-se a usar nas garrafas, embalagens e no calçado plástico feito a partir de plantas, cuja comercialização tem sido barrada pelos custos elevados de produção de ácido furandicarboxílico.

"O uso do solvente gama-Valerolactona resolve a maioria dos problemas de produção do ácido furandicarboxílico", defendeu um dos coautores da investigação, Ali Hussain Motagamwala, citado num comunicado da Universidade Wisconsin-Madison.

De acordo com o investigador, "os açúcares [como o da fruta, a frutose] e o ácido furandicarboxílico são altamente solúveis neste solvente, que pode ser reciclado" e, assim, tornar-se mais rentável.

Veja também: