A Zon apresenta em Abril a candidatura ao financiamento das Redes de Nova Geração, a PT mantêm contactos com o Banco Europeu de Investimento e a Oni garante novidades para «muito breve».

Dois meses depois de assinado o protocolo entre o governo e os operadores de telecomunicações, PT, Sonaecom, Zon Multimédia e Onitelecom, para o desenvolvimento das Redes de Nova Geração (RNG), a Zon Multimédia vai apresentar o seu projecto, diz a Lusa.

O protocolo obrigava as operadoras a trabalhar em conjunto para, no prazo de 45 dias, cada uma tomar decisões sobre o modelo de investimento em Redes de Nova Geração.

«Estamos em contacto com o Banco Europeu de Investimento (BEI) e a preparar o projecto para poder ser apresentado a muito curto prazo, no próximo mês. Temos de apresentar o projecto de RNG no final deste primeiro trimestre ou no início do próximo», disse o administrador financeiro da ZON, José Pedro Pereira da Costa.

Ideia para 2009 é concretizar o up-grade total da rede

Recorde-se que o presidente executivo da operadora, Rodrigo Costa, tinha afirmado na passada quarta-feira, em conferência de imprensa, após a divulgação de resultados, haver ainda «algumas dúvidas» e estar a trabalhar em «alguns detalhes que não são públicos e não estão completamente definidos».

«O protocolo não está completamente arrumado. Tivemos muita sorte, porque estas apostas [nas RNG] surgem quando estamos a preparar o nosso plano de up-grade da rede. A nossa ideia para 2009 é concretizar o up-grade total da rede», afirmou na altura em conferência de imprensa.

De acordo com o administrador da Zon, as questões relativas às linhas de crédito e à concessão de incentivos fiscais estão a ser analisadas com o BEI. Também a Portugal Telecom está em contactos com o BEI.

Fonte ligada à Onitelecom, adiantou que a operadora «está a trabalhar activamente [no projecto] e vai apresentar novidades muito em breve».

Até ao momento não foi possível obter uma resposta da Sonaecom.

De fora do acordo, ficou na altura a Vodafone Portugal, pertencente ao grupo britânico Vodafone, que não deverá mesmo vir a subscrever o protocolo do governo.

O acordo também previa que os investidores em Redes de Nova Geração que pretendam aderir deverão manifestar essa intenção, mediante comunicação dirigida à Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), no prazo de 45 dias a contar da data da respectiva assinatura, ou seja, dia 11 de Março, se se considerar dias úteis.

Entretanto, o Governo apresenta esta sexta-feira o diploma que define o regime aplicável à construção, acesso e instalação de redes e infra-estruturas de comunicações electrónicas, lançando em seguida o respectivo processo de consulta pública.