A greve dos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras registou este sábado «uma adesão de 100%» nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro no período da manhã, afirmou uma fonte sindical.

Devido à greve dos inspetores do SEF, durante a manhã deste sábado nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro «houve um atraso médio de uma hora e meia a duas horas no controlo de fronteira» nas chegadas e partidas de voos internacionais, exceto União Europeia UE), e de e para o Reino Unido e a Irlanda, afirmou Acácio Pereira, do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF-SEF).

Segundo o pré-aviso de greve, a paralisação nas fronteiras de Lisboa realiza-se entre as 06:00 e as 10:00 e entre as 14:00 e as 18:00 e, nas restantes fronteiras e Centros de Cooperação Policial e Aduaneira (CCPA), entre as 07:00 e as 11:00 e entre as 16:00 e as 20:00.

De acordo com o site da ANA, houve atrasos nas partidas de vários voos internacionais nos três aeroportos nacionais.

Os inspetores do SEF retomaram hoje o período de greve de quatro dias, paralisação que vai afetar, até segunda-feira, a fiscalização nas fronteiras portuguesas, segundo o sindicato que representa estes profissionais.

A greve, que se realiza entre hoje e segunda-feira, vai decorrer nos aeroportos, portos marítimos e centros de cooperação policial e aduaneira (CCPA), mas estão garantidos os serviços mínimos.

A ANA alertou que a greve dos inspetores do SEF pode atrasar o normal funcionamento dos aeroportos e recomendou aos passageiros para que cumpram "escrupulosamente" os horários indicados pelas companhias aéreas.

Também a TAP recomendou aos passageiros para que cheguem aos aeroportos nacionais «mais cedo do que o habitual», para evitar possíveis atrasos nos voos.

Os inspetores do SEF protestam contra os cortes previstos para as remunerações em 2014, a falta de pessoal e a proposta do Governo do Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, que é «omissa» em relação à continuidade dos inspetores como corpo especial de polícia, segundo o Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF-SEF).

O primeiro dia de greve, que abrange os funcionários de investigação e fiscalização a trabalhar nos departamentos do SEF, decorreu na passada quinta-feira e contou com uma adesão de 70 por cento, de acordo com o sindicato, como recorda a Lusa.