Sindicato acusa ministério de obrigar médicos a funções fora da sua competência





casos como o de Évora