O nome do ex-presidente do PSD e antigo ministro Luís Marques Mendes surgiu no processo dos Vistos Dourados. A TVI apurou que há registos em que Marques Mendes pede a intervenção especial do então presidente do Instituto dos Registos e Notariado, que está em prisão preventiva, para agilizar pelo menos dois processos de atribuição de nacionalidade portuguesa a cidadãos estrangeiros.
 
Luís Marques Mendes é sócio da JMF Business, implicada no caso dos Vistos Dourados. Está ao lado da filha do principal suspeito deste esquema e foi colega de curso do pai, António Figueiredo, em prisão preventiva. 
 
A TVI sabe que, em agosto deste ano, Marques Mendes pediu ajuda direta a António Figueiredo no sentido de desbloquear as dificuldades na atribuição de nacionalidade portuguesa à mulher de um dos maiores empresários de Moçambique. O processo encontrava-se no Instituto dos Registos e Notariado, na altura, ainda presidido pelo amigo de Marques Mendes, agora detido. 
 
O casal moçambicano tem negócios em Portugal, com Américo Amorim e com o grupo Visabeira. António Figueiredo garantiu que ajudaria Marques Mendes. 
 
O antigo líder do PSD explicou que falaria mesmo com Pires de Lima, se fosse necessária uma declaração do Ministério da Economia.
 
Do gabinete de Pires de Lima, a resposta à TVI é negativa. Ou seja, o ministro da Economia diz nunca ter sido contactado por Marques Mendes, nesse sentido.
 
Mendes também diz à TVI nunca ter falado sobre a matéria ao Ministério da Economia.
 
Dois meses depois, em outubro, Marques Mendes fez novo pedido ao ex-presidente do Instituto dos Registos e Notariado. Outra vez para que desbloqueasse o processo de nacionalidade portuguesa a uma brasileira que tencionava fazer investimentos avultados em Portugal.
 
O conselheiro de Estado de Cavaco Silva nega que alguma vez tenha ajudado estrangeiros na obtenção da nacionalidade portuguesa: «Qualquer contacto feito através da abreu advogados sobre estes assuntos sempre foram feitos com o único objetivo de obter informações sobre o andamento dos respetivos processos».
 
Das questões enviadas pela TVI, Marques Mendes só não respondeu a esta: «Esse apoio da sua parte passou por um contacto direto com o ex-presidente do Instituto dos Registos e Notariado, dr. António Figueiredo?».