Os monumentos, museus e palácios nacionais receberam 3,4 milhões de visitantes em 2013, representando um aumento 7,9 por cento no número de entradas, em comparação com 2012, segundo as estatísticas oficiais.

De acordo com dados estatísticos da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), a que a agência Lusa teve hoje acesso, o número total foi de 3.427.349 visitantes, mais 251.764 do que no ano anterior (2012), com 3.175.585 entradas.

Ainda de acordo com os dados estatísticos da DGPC, entidade que tutela este universo patrimonial público, em 2013, os monumentos registaram 1.992.340 entradas, os museus, 936.862 entradas, e os palácios, 498.147.

Estes números representam uma subida de 4,1 por cento de visitas nos monumentos e de 74,3 por cento nos palácios, enquanto os museus desceram 3,9 por cento no número de visitantes, em 2013, em relação ao ano anterior.

A DGPC sublinha que o aumento de visitas aos palácios, no ano passado, está relacionado, sobretudo, com a exposição da artista plástica Joana Vasconcelos, no Palácio Nacional da Ajuda, que registou um total de 235.372 visitantes, cerca de 47 por cento do total das entradas nos palácios.

Para este aumento, a DGPC também refere o contributo de iniciativas como as organizadas, em maio, para celebrar a Noite e o Dia Internacional dos Museus, a abertura dos espaços museológicos no período noturno e atividades dos serviços educativos.

Ainda segundo a direção-geral, o público com entrada paga nos monumentos, museus e palácios continuou, como em 2012, a ser a parcela mais importante no número global de visitantes, tendo aumentado em 303.396 visitantes (17,5 por cento).

Relativamente às receitas de bilheteira, atingiram 8.455.131,41 euros, registando-se um crescimento de 18,7 por cento (mais 1.332.286,61 euros) em relação a 2012 (7.122.844,80 euros).

A análise estatística é relativa aos equipamentos culturais integrados na DGPC, com exceção da Galeria do Rei D. Luís I, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, que não possui uma programação regular de exposições.

Fora destas estatísticas ficam igualmente o Palácio da Pena, o Palácio Nacional de Sintra e o Palácio Nacional de Queluz, entre outros, geridos pela empresa Parques de Sintra ¿ Monte da Lua.