O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou esta terça-feira a detenção de uma mulher, no distrito de Viseu, que é suspeita de auxílio à imigração ilegal e lenocínio, entre outros crimes.

Em comunicado, o SEF explica que a suspeita está relacionada com um conjunto de pessoas que geriam no distrito «estabelecimentos de diversão noturna e exploravam a prática de prostituição associada aos mesmos, por parte de mulheres portuguesas e estrangeiras».

A cidadã estrangeira é «alegadamente a principal responsável pela atividade criminosa desse grupo», acrescenta a Lusa.

Depois de presente a tribunal, a mulher ficou em prisão preventiva a aguardar a conclusão das diligências do processo-crime em curso.

O SEF recorda que, numa operação que desencadeou há cerca de uma semana e que incluiu buscas a vários locais da cidade de Viseu e das imediações de Lamego, foi encerrado um espaço e foram constituídos vários arguidos.

«A operação culminou investigações que decorriam há vários meses e que permitiram desmantelar a atividade de um grupo que se dedicava, através da gestão de estabelecimentos noturnos, à exploração da prostituição (por mulheres nacionais e estrangeiras) e ao auxílio à permanência em território nacional de cidadãs estrangeiras em situação ilegal», referiu o SEF na altura.

Nessa operação foram feitas buscas a estabelecimentos de diversão noturna e a residências e apreendida uma viatura que «servia para transportar as mulheres para os locais onde se prostituíam».

Segundo o SEF, o espaço encerrado estava «associado à prática da prostituição», sendo o local «para onde as mulheres conduziam os clientes angariados em estabelecimento noturno contíguo».

Na altura foram constituídos cinco arguidos, um de nacionalidade portuguesa e os restantes estrangeiros, pela prática dos crimes de lenocínio e auxílio à imigração ilegal, e identificadas três dezenas de pessoas, entre as quais sete mulheres estrangeiras em situação ilegal em território nacional.