“Houve disparos de uma pistola. A vítima terá sido alvejada pelo agressor e depois o agressor terá feito detonar um engenho explosivo”, adianta o comissário Rui Costa, da PSP, sublinhando que "não se sabe se um engenho explosivo fabricado pelo próprio, se um engenho militar, ou outro".




"Ouvi quatro ou cinco tiros. Entretanto ouvi uma explosão muito grande e foi quando corri para ver o que se passava. Estava a senhora já morta, em cima do capô de um carro e o homem ainda mexia, mas já não tinha muita saúde", relata à TVI um empregado do restaurante próximo do local onde aconteceu o crime, adiantando que o casal "passava ali todos os dias".