O casal que foi encontrado morto em Vila Nova de Gaia, esta quinta-feira, estava envolvido num processo de separação causado por violência doméstica.  O homem, que usava pulseira eletrónica, é suspeito de ter assassinado a mulher depois de a ter convencido a ir ter com ele, “sob um falso pretexto”, sem o dispositivo que aciona o alarme da pulseira.

Ao que a TVI apurou, o homem, que se suicidou depois do crime,  estava indiciado por violência doméstica e o tribunal determinou que usasse pulseira electrónica, como medida de coação preventiva, para se manter afastado da mulher.

A pulseira funciona com dois dispositivos, um usado pelo agressor, e outro usado pela vítima, o que permite que seja acionado um alarme quando o suspeito se aproxima.

Fonte da Direção-Geral dos Serviços Prisionais, confirmou à TVI que a vítima não levou o dispositivo ao encontro com o ex-marido e como tal não foi acionado o alarme que permita as autoridades agir.

Fonte policial confirmou à TVI, que a investigação acredita que o suspeito convenceu a vítima “sob um falso pretexto” a ir ao seu encontro sem levar o dispositivo.

O casal foi encontrado morto numa praia, na zona da Madalena, em Vila Nova de Gaia, dentro de um carro, ensanguentado, com ferimentos de bala.