A GNR informou hoje que deteve em Lousada um suspeito de exercer reiteradamente violência física e psicológica sobre a sua mulher, mesmo de ameaçar de morte, num caso que levou à prisão preventiva do arguido.

Em comunicado, o Comando da GNR no Porto conta que o homem - que já tinha sido condenado em maio deste ano a uma pena de prisão de três anos, suspensa, por violência doméstica - foi detido na quarta-feira, em “flagrante delito, na residência da companheira”.

A GNR desenvolveu diligências de investigação relativas ao detido e, no inquérito de violência doméstica que realizou, indica que o denunciado é suspeito de “exercer de forma reiterada violência física, psicológica e ameaças de morte à sua mulher”.


Segundo a autoridade policial, o arguido estava proibido de contactos com a companheira e estava obrigado a estar afastado da residência da mulher pelo período de 18 meses, mas continuou a “residir na morada da ofendida e a maltratá-la verbal e fisicamente, violando as penas acessórias decretadas aquando da condenação” de maio deste ano.

“No próprio dia em que lhe foi lida a sentença (maio de 2015), o arguido, no pátio exterior da residência da ofendida, em tom exaltado e sério, dirigiu-lhe palavras insultuosas que lhe ofenderam a honra e reputação pessoal”, lê-se na nota de imprensa da GNR.


Depois, “agarrou num machado e, ao mesmo tempo que a ameaçava que matava a vítima, erigiu-o no ar, em sua direção, só não a tendo atingido porque esta se desviou”, acrescenta.

Foram estes factos que deram origem à abertura do Inquérito de Violência Doméstica, que culminou esta quarta-feira com a detenção do suspeito e depois na fixação, no Tribunal de Instrução Criminal em Marco de Canavezes, da medida de coação de prisão preventiva.