ACTUALIZADA ÀS 18h18

Um homem de 43 anos entregou-se, por volta das 11h45, no Estabelecimento Prisional de Setúbal depois de ter morto a sua mulher, esta quinta-feira, em Poço de Mouro.

VEJA AS FOTOS

«A mulher de 36 anos foi esfaqueada no peito com alguns golpes. O homem apercebeu-se da gravidade da situação, abandonou a viatura com a vítima lá dentro e foi entregar-se», disse fonte da GNR de Setúbal ao tvi24.pt

O homicídio aconteceu na localidade de Poço de Mouro, «junto à estrada que vai para Alcácer do Sal».

O presumível agressor, que moradores na zona disseram ser taxista, deverá ser presente a tribunal ainda esta quinta ou sexta-feira.

«Pedi-lhe que parasse de esfaquear»

Em relação ao homicídio de uma mulher, também esta quinta-feira, em Alvaiázere, a PJ de Coimbra confirmou ao tvi24.pt que admite a possibilidade de se tratar de «um crime passional», sendo que a Lusa sabe que vítima e agressor já foram casados.

A mesma fonte disse apenas que «a vítima tem cerca de 50 anos e é natural de Alvaiázere».

Quanto ao homicida, «a PJ está no terreno a procurar o suspeito, mas não podemos adiantar se já o identificámos». A fonte confirmou ainda que já ouviu uma testemunha que terá assistido ao assassinato no local.

À Lusa, a testemunha que tentou socorrer a vítima afirmou que chegou a ser ameaçada pelo agressor. «Agarrei-o pelo braço, pedindo para que parasse de esfaquear», contou Delfina Lopes, de 61 anos, lamentando não ter feito mais pela vítima.

«Ele virou-se, com a navalha, e disse-me: Ela é minha mulher. Solte-me senão mato-a», relatou Delfina Lopes, adiantando que de seguida foi pela rua chamar uma prima para que pedisse ajuda.

A moradora explicou que se apercebeu de uma viatura a parar na entrada de sua casa.

«Pensei que fosse o carteiro e fui à janela. Depois vi outra viatura, onde vinha o homem», contou.

Quando saiu de casa, a testemunha viu que «o homem estava ajoelhado em cima da mulher e esta já deitada do lado do ocupante, a ser esfaqueada». «Fui pedir ajuda e quando cheguei ela já estava morta», lamentou a mulher, acrescentando que o agressor também já se tinha colocado em fuga.