Tal como aconteceu no primeiro interrogatório judicial, o homem de 37 anos acusado de violar uma mulher grávida, em Vagos, e de esfaquear o companheiro daquela, remeteu-se ao silêncio no início do julgamento, que decorreu esta segunda-feira no Tribunal de Aveiro.

Os factos remontam a abril de 2017, quando a mulher se encontrava grávida de cinco meses.

O tribunal ouviu a mulher que disse ter sido violada duas vezes pelo arguido, no espaço de uma semana, adiantando que, da primeira vez, ela não apresentou queixa “com medo que ele fizesse algum mal”.

A segunda vez ocorreu no dia 13 de abril, no interior de uma casa abandonada na praia da Vagueira, em Vagos, onde o ofendido pernoitava.

Facada no peito

O casal estava na cama quando foi surpreendido pelo arguido que entrou no quarto e agrediu o ofendido com uma facada no peito.

A mulher conseguiu fugir do local e dirigiu-se a uma pastelaria para pedir ajuda, mas foi seguida pelo arguido que a agarrou por um braço e levou-a para outra casa devoluta, onde a forçou a manter práticas sexuais.

O homem, que já tem cadastro por crimes violentos contra as pessoas, foi detido pela Polícia Judiciária no dia 18 de abril, encontrando-se desde então em prisão preventiva.

Está acusado de um crime de homicídio na forma tentada, um crime de ofensa à integridade física, dois crimes de sequestro agravado e um crime de violação.