O Tribunal Judicial de Braga absolveu um homem de 55 anos que era acusado pelo Ministério Público de ter abusado sexualmente de uma sobrinha-neta, desde os sete anos de idade da menor.

A absolvição ficou a dever-se às dúvidas que ficaram do julgamento, sobretudo depois do depoimento da mãe da criança.

O arguido era acusado de abuso sexual de uma sobrinha-neta entre 2007 e 2011.

Nesse período, a criança estava ao cuidado do pai, que entretanto tinha emigrado.

Os abusos, ainda segundo o Ministério Público, seriam perpetrados pelo tio-avô, quando este ia buscar a menor à escola e ficava sozinho com ela em casa da família paterna.

Os alegados abusos teriam sido denunciados pela própria menor.

Os peritos médicos ouvidos no julgamento admitiram que a criança foi mesmo abusada, mas o tribunal não conseguiu provar quem foi o autor dos abusos.