A junta da maior freguesia do concelho de Vila Real, após uma consulta pública, escolheu uma nova designação, reduzindo de 84 para 09 os caracteres que compõem atualmente o nome.

A União de Freguesias de Vila Real - Nossa Senhora da Conceição, São Pedro e São Dinis, que resultou da reorganização administrativa que juntou as três juntas da cidade, onde estão recenseadas cerca de 17 mil pessoas, passa agora a chamar-se apenas Vila Real.

Francisco Rocha revelou que entre os 571 votantes, 305 optaram pelo nome Vila Real e 260 preferiram Dom Dinis, as duas designações em votação.

«O atual nome oficial desta freguesia tem 84 carateres e não há formulário nenhum oficial ou não sendo oficial que contenha espaço para pôr este nome», disse o autarca à Lusa.

Sublinhando que o «processo de reorganização não levou em linha de conta este caráter prático do nome das freguesias».

Depois de aprovado pelo executivo da junta, o nome terá de ser autorizado pela Assembleia da Freguesia, depois seguir para a Câmara Municipal e, posteriormente, ser remetido à Assembleia da República, para que, aí, «seja oficialmente decretado o novo nome da freguesia», explicou.

«O processo, se tudo correr bem, poderá estar concluído até finais de abril de 2015», salientou.

Para mudar a sua designação, a União de Freguesias decidiu envolver os cidadãos eleitores e realizar uma consulta pública que decorreu entre 02 e 16 de dezembro.

O nome Junta de Freguesia de Vila Real foi escolhido pelo contexto territorial, já que as três antigas freguesias correspondem à cidade de Vila Real.

A hipótese de Dom Dinis pretendia servir de homenagem àquele que é considerado o fundador da cidade.

Os dois nomes que foram a votos foram escolhidos por uma comissão especializada com peritos e pessoas ligadas à história local e integrou ainda representantes dos cinco partidos políticos que concorreram às últimas eleições na freguesia.

«Não havia preferências nos nomes, o nosso único objetivo foi o de facilitação», considerou.

A eleição decorreu «com normalidade e sem incidentes», adiantou Francisco Rocha.

«O conceito de cidadania também passa por estes processos de escolha», referiu.