O presidente da Câmara de Murça teme que o incêndio que está a atingir o seu concelho «destrua o pulmão» da serra Garraia e lamentou a «falta de meios e a descoordenação de meios» no combate.

O incêndio que agora lavra em Murça, deflagrou as 15.20 de sábado, em São Pedro de Veiga de Lila, concelho de Valpaços, e é, neste momento, o fogo que mobiliza mais meios no distrito de Vila Real.

No teatro de operações estão 182 operacionais, 51 veículos e dois meios aéreos.

O autarca de Murça, João Teixeira, disse à Lusa que as chamas estão a atacar «forte a serra da Garraia» que considerou ser o «pulmão» deste concelho, que abrange uma área de mais de 100 hectares de pinhal adulto.

«Há meios aéreos mas, por sua vez, não há retaguarda humana. Há viaturas para um lado, homens para outro. Há poucos homens, porventura estarão para outro lado mais necessário», salientou.

Para o autarca, até ao momento «está a haver uma descoordenação de meios» enquanto o incêndio está a «galgar» e «tomou proporções enormes».

Em Valpaços, segundo a responsável pela Proteção Civil Municipal, Carla Cerdeira, o incêndio destruiu «uma área considerável de pinheiro» na Serra de Santa Comba.

A responsável referiu ainda que se verificou, no início do fogo, uma «falta de meios» e que o grande esforço dos bombeiros foi defender a aldeia de Vales, não se tendo verificado, no entanto, situações de habitações em risco.

Devido ao elevado número de ocorrências que se têm verificado nos últimos dias no distrito transmontano, os meios estão bastante dispersos.

Já em Vila Real, as chamas, que lavram numa frente, estão a ser combatidas por 86 operacionais, 27 veículos e dois aviões.

Este incêndio teve início em Soutelinho do Mezio, Vila Pouca de Aguiar, às 07:30 de quinta-feira e, na sexta-feira, estendeu-se ao concelho de Vila Real.

Chegou a estar dado como dominado durante a madrugada de sábado, mas o vento forte e o calor provocaram uma forte reativação e as chamas rondaram várias aldeias, tendo atingido quintas e duas casas não habitadas.

O comandante dos Bombeiros da Cruz Verde, Miguel Fonseca, referiu que as atenções estão agora concentradas na zona de São Cosme e Cigarrosa, na área virada à Autoestrada 24 (A24), enquanto, na restante área já atingida, se procedem a operações de rescaldo e de consolidação.

No distrito há ainda um outro incêndio ativo em Ferraria/Sedielos, concelho de Peso da Régua, onde estão mobilizados 38 bombeiros e nove viaturas.