A agitação marítima forte vai diminuir gradualmente a partir da tarde desta terça-feira, devendo a situação normalizar na quarta-feira, disse à agência Lusa a meteorologista Maria João Frada do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

«A situação continua grave, mas já temos uma diminuição da agitação marítima. Na costa ocidental, temos ondas com alturas significativas, entre os 5,5 e os 6,5 metros, o que significa que já não é aviso vermelho, estamos no laranja», explicou.

A madrugada foi calma depois da tempestade.De acordo com Maria João Frada, a partir do final da tarde de hoje, a altura das ondas vai diminuir gradualmente para os 4,5 a 5,5 metros e depois, a partir da tarde de quarta-feira deverá normalizar com ondas de três a quatro metros.

Apesar da melhoria, o IPMA emitiu aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, para os distritos do Porto, Faro, Setúbal, Viana do Castelo, Lisboa, Leiria, Beja, Aveiro, Coimbra e Braga e o arquipélago da Madeira até às 17:59 de hoje.

O IPMA colocou também os grupos Central e Ocidental Açores sob aviso amarelo, o segundo menos grave de uma escala de quatro, por causa da agitação marítima até às 17:59 de hoje.

A meteorologista Maria João Frada adiantou também à agência Lusa que os distritos da Guarda, Setúbal, Santarém, Lisboa, Leiria, Castelo Branco, Portalegre e Coimbra vão estar sob aviso laranja e amarelo até às 23:59 de hoje devido à previsão de chuva forte.

«A precipitação mais intensa ainda está para vir. Já está [ao iníciol da manhã] a ocorrer precipitação mais intensa na região da Grande Lisboa, Santarém e no sul do distrito de Leiria e na parte interior do vale do Tejo, isto porque temos uma massa de ar que afeta o arquipélago da Madeira e Portugal continental», disse.Segundo a meteorologista, a massa de ar quente tem um elevado conteúdo em vapor de água e que dá origem a muita precipitação. «Aqui o preocupante vai ser a persistência da precipitação que será até ao final do dia de hoje sempre nos mesmos locais», salientou.

Na segunda viveram-se situações de aflição: uma onda arrastou carros e corta estrada na Foz do Arelho.

Outra onda gigante também arrastou carros e pessoas na Foz do Porto.

A meteorologista disse ainda que a previsão aponta para vento moderado a forte com rajadas da ordem dos 60 quilómetros/hora, temperaturas mínimas elevadas e máximas baixas.

«Em relação ao dia de amanhã [quarta-feira] gradualmente esta ondulação tem tendência a perder atividade e deslocar-se de sul para norte e a precipitação ficará mais confinada às regiões a norte do Cabo Carvoeiro. As restantes regiões do sul e do interior vão estar com boas abertas a partir do meio da manhã», cita a Lusa.

A costa portuguesa esteve em alerta vermelho na segunda-feira. O mar galgou paredão da Costa da Caparica

Em Carcavelos, um funcionário filmou o momento em que mar arrasou o bar.

Quinze barras marítimas estão, por isso,fechadas à navegação esta terça-feira devido à forte agitação marítima, de acordo com informação disponível na página da Marinha Portuguesa na Internet.

A Marinha informa que as barras marítimas de Caminha, Vila Praia de Âncora, Viana do Castelo, Esposende, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Leixões, Douro, Aveiro, Figueira da Foz, São Martinho do Porto, Peniche, Lagos, Alvor e Portimão estão fechadas à navegação devido ao estado do mar.