Três em cada 10 portugueses inquiridos pela associação Deco esperam mais de um mês pela consulta com o médico de família, enquanto em Espanha e Itália os doentes conseguem consulta numa semana, segundo um estudo divulgado esta segunda-feira.

A associação de defesa do consumidor Deco realizou, no final do ano passado, 3.556 questionários sobre os cuidados de saúde primários a uma amostra da população adulta em Portugal, estratificada por sexo, grupos etários e região.

Inquéritos semelhantes foram realizados em Espanha e em Itália.

De acordo com os dados recolhidos, depois de marcada uma consulta, três em cada 10 portugueses esperam pelo menos um mês pelo encontro com o médico de família. Em Espanha e em Itália, nove em cada 10 doentes conseguem resposta no prazo de uma semana.

Em Portugal, a região Centro é a que obteve melhor classificação, com quase metade dos inquiridos a indicar que obtém consulta na primeira semana.

A região Norte é a que surge com maiores dificuldades, com 37% dos doentes a dizerem que esperam pelo menos um mês. Segue-se o Algarve (com 35%), Lisboa e Vale do Tejo (31%), Alentejo (28%) e o Centro (com 17%).

«A situação é idêntica à que detetámos em 2009, aquando do nosso último estudo», refere a associação de defesa do consumidor.

A Deco considera que o nível de satisfação dos consumidores com os cuidados de saúde primários tem vindo a aumentar nos últimos anos, mas frisa que o tempo de espera pelas consultas e o número de utentes sem médico de família «teimam em não descer».

«É preciso melhorar estes aspetos e promover a igualdade no acesso aos cuidados», afirma a associação.

Com base nos dados dos 3.556 inquéritos da Deco, há um em cada 10 utentes sem médico de família. O problema parece mais grave no Algarve e em Lisboa, onde 25 e 15 por cento dos doentes, respetivamente, indicaram não ter médico.

«A Sul, o número de inquiridos nestas condições duplicou nos últimos cinco anos», indica o estudo.

Já a satisfação com o seu médico de família parece ser elevada, com seis em cada 10 a indicarem estar «muito satisfeitos» com o clínico que os segue.

Mesmo sem médico de família, a maioria dos inquiridos recorreu a serviços de saúde pelo menos quatro vezes no ano anterior ao questionário, com o setor público a ser o mais frequentado, sobretudo em consultas de medicina geral, serviços de enfermagem ou vacinas.

Os privados ganham em especialidades como a estomatologia e a dermatologia.

Numa análise ao recurso às novas tecnologias para marcação de consultas, a Deco conclui que há um crescimento, mas ainda longe de ser universal: só 10 por cento dos inquiridos marcam consultas por correio eletrónico (e-mail) e 22% através da Internet.