A rede de emergência e segurança de Portugal foi adjudicada por 450 milhões de euros. Mas até 2021, esta parceria público privada irá custar qualquer coisa como 600 milhões.

Irá custar a todos nós contribuintes, qualquer coisa como 600 milhões de euros, o equivalente ao mais bem equipado hospital do país.

Falamos da SIRESP, que deveria ligar entre si, polícias, bombeiros e INEM.

Sete anos depois de ter sido implementado, o SIRESP, é usado apenas por metade dos utilizadores previstos e ainda não cobre pontos considerados cruciais do território nacional.

Uma investigação TVI sobre as fragilidades de um sistema que nunca deveria falhar, nem com um abalo sísmico, mas que colapsou quando mais era preciso, por exemplo, em muitas zonas do incêndio do Caramulo.

Uma reportagem de Ana Leal, com imagem de João Paulo Delgado e montagem de Miguel Freitas.