O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) realçou esta quarta-feira o «espírito de cooperação e abertura» com que decorreu a reunião da véspera com o primeiro-ministro, mas lembrou a falta de garantias quanto à descativação de verbas.

Pedro Passos Coelho recebeu na residência oficial de São Bento, em Lisboa, 12 reitores, uma semana depois de o CRUP ter anunciado o corte de relações institucionais com o Governo e de o seu presidente, António Rendas, se ter demitido.

No final da reunião, onde estiveram presentes o ministro da Educação e Ciência e o secretário de Estado do Ensino Superior, não houve declarações aos jornalistas.

Hoje, em comunicado, o CRUP salienta «o espírito de cooperação e abertura» com que decorreu o encontro, com o primeiro-ministro a manifestar abertura para repor, no início de 2014, «os valores cortados em excesso» nos orçamentos das instituições para o próximo ano.

O CRUP, no entanto, lembra «a falta de garantias quanto à descativação de verbas» deste ano e que «impede as universidades de terem capacidade para suportar todos os custos com pessoal».

O conselho de reitores alerta, ainda, para a dificuldade de as universidades participarem em projetos internacionais e reforçarem o apoio social aos estudantes.

Não obstante a reunião com o primeiro-ministro, o CRUP mantém o corte de relações com o Governo e o seu presidente continua demissionário, disse à agência Lusa a assessora de comunicação do Conselho de Reitores, Teresa Botelheiro, acrescentado que a questão só será novamente abordada na próxima reunião do CRUP, a 10 de dezembro, na Universidade do Algarve.