Um grupo de reformados da CGTP interrompeu esta quinta-feira os trabalhos dos deputados quando se levantou e gritou: «25 de Abril sempre, fascismo nunca mais».

Os gritos de protesto começaram a ouvir-se das galerias logo após a conclusão da discussão da petição «Contra as injustiças, contra o roubo dos subsídios de férias e Natal, contra o empobrecimento», iniciativa da Inter-Reformados/CGTP.

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, não estava presente nesse momento. Em sua representação, o vice-presidente da AR António Filipe anunciou uma pausa nos trabalhos.

A polícia demorou cerca de três minutos a expulsar os manifestantes das galerias do Parlamento.

No final, e falando aos jornalistas fora da Assembleia da República, uma representante da Inter-Reformados/CGTP disse que o protesto «era o mínimo» que as dezenas de pessoas podiam fazer «na casa da democracia».

«É um grito do nosso descontentamento e mal estar», declarou Fátima Canavezes.