Os apicultores denunciaram esta sexta-feira que a progressão da vespa asiática, uma espécie predadora de abelhas, está «descontrolada» e que, além de Viana do Castelo, a sua presença começa a ser detetada em vários distritos do norte.

Os números mais recentes, avançados esta semana à Lusa pela Proteção Civil, apontam para um total de 119 ninhos de vespa velutina, também conhecida como asiática, detetados no distrito de Viana do Castelo só este ano.

Destes, 105 já foram destruídos pelos bombeiros, com recurso a lança-chamas, mas só 98 ninhos foram encontrados no concelho de Viana do Castelo.

Na região do Alto Minho, os apicultores garantem que o número de ninhos desta vespa «praticamente triplicou» entre janeiro e outubro de 2013, o que terá consequências na produção de mel, por ser uma espécie maior que ataca diretamente as colmeias.

De acordo com o presidente da Associação Apícola do Minho (APIMIL), recentes «relatos» de outros produtores já apontam para a presença desta vespa em distritos como Braga, Vila Real, Bragança e até no Porto.

Associações de produtores e técnicos de vários pontos do país estão reunidos em Vila Nova de Cerveira para as VII Jornadas do Mel do Alto Minho, dedicadas à expansão da vespa asiática e face à «falta de informação» sobre o tema.

Este encontro, que decorre até sábado, conta ainda com o apoio da Federação Nacional de Apicultores de Portugal e recebe produtores de todo o país, que insistem nas críticas à falta de uma estratégia de combate à progressão desta vespa.

A vespa asiática é maior e mais agressiva do que a espécie autóctone nacional e foi introduzida na Europa através do porto de Bordéus, em França, no ano de 2004.

Os primeiros indícios da sua presença em Portugal surgiram em 2011, mas a situação só se agravou a partir do final de 2012.