A Direção do Agrupamento de Escolas de Sernancelhe está a averiguar as alegadas agressões de uma professora de música a quatro alunos, disse à agência Lusa fonte do Ministério da Educação e Ciência.

A mesma fonte explicou que o agrupamento «está a averiguar a situação, uma vez que é a entidade que tem competência hierárquica e disciplinar sobre o pessoal docente, não docente e alunos».

Na terça-feira, o presidente da Associação de Pais de Sernancelhe, João Aguiar, denunciou que quatro alunos foram alegadamente agredidos a semana passada, durante uma Atividade de Enriquecimento Curricular (AEC).

«Eles estavam a portar-se mal e ela decidiu agir dessa maneira», contou João Aguiar à agência Lusa, explicando que os alunos pertencem a turmas do segundo e do quarto anos da escola de Ferreirim, que está a funcionar provisoriamente no Centro de Artes de Sernancelhe.

De acordo com o dirigente associativo, as alegadas agressões terão ocorrido em dois dias diferentes e consistido em atos como «cabeça contra a parede, chapadas e apertões de pescoço».

Fonte da GNR confirmou à Lusa que, até terça-feira ao fim da tarde, foram apresentadas no posto de Sernancelhe duas queixas referentes a este caso, por ofensa à integridade física.

João Aguiar referiu que os pais das duas outras crianças devem, entretanto, também apresentar queixa.

O dirigente associativo disse ainda que vai também seguir uma queixa para o Ministério Público e para a Inspeção Geral da Educação pela forma como membros da associação de pais foram tratados quando se dirigiram ao agrupamento para falar sobre esse assunto.