Notícia atualizada às 20:11

Sete portugueses e cinco galegos compõem a tripulação do pesqueiro de bandeira portuguesa e armado espanhol «Mar Nosso» que naufragou esta quinta-feira a 20 milhas norte de Navia, nas Astúrias.

O naufrágio causou três mortos, estando dois tripulantes ainda desaparecidos e tendo sido resgatados com vida sete outros, segundo avança o jornal «La Voz de Galicia».

Cinco dos sete portugueses são das Caxinas, Vila do Conde.

Segundo o jornal «La Voz de Galicia», os cinco tripulantes galegos estão entre os sobreviventes, o que significa que as vítimas mortais são dois portugueses, assim como os desaparecidos.

Dados da composição da tripulação foram confirmados pela cooperativa de armadores de Marin, um município na província galega de Pontevedra, que serve de porto-base para o «Mar Nosso».

Segundo a Lusa, os quatro pescadores internados em hospitais de Gijón estão a registar melhorias da hipotermia grave que sofreram ao cair à água, indicou o conselheiro de Saúde do principado das Astúrias.

Faustino Blanco informou a imprensa da situação dos pescadores internados ¿ dois portugueses e dois galegos ¿, depois de os visitar nos hospitais de Jove e Cabueñes, onde permanecerão esta noite para serem submetidos na sexta-feira a uma nova observação antes de se decidir se têm alta.

O conselheiro indicou que, dos quatro tripulantes, o mais afetado psicologicamente pelo acidente é o patrão do barco, «que pouco a pouco vai entendendo o que se passou e que está muito preocupado com o resto da equipa».

Uma porta-voz do Salvamento Marítimo disse à Lusa que a primeira informação sobre o acidente com o «Mar Nosso» foi transmitida por um outro pesqueiro, o «Mar da Galega» que às 13:08 disse ter resgatado sete tripulantes e que um outro navio, o «Kika» resgatou dois corpos.

As operações de busca dos três tripulantes desaparecidos estão a ser coordenadas pelo Centro de Salvamento Marítimo de Gijón com vários navios, incluindo pesqueiros que estão na zona, apoiados por um helicóptero da junta da Galiza.

As causas do naufrágio ainda não são conhecidas.