A Polícia Judiciária está a realizar uma operação de buscas na Direção Geral de Infraestruturas e Equipamentos do Ministério da Administração Interna, no MAI, e também em várias residências, em todo o país, por suspeita de crimes de participação económica em negócio.

A informação foi confirmada à TVI que apurou ainda que existem vários suspeitos. Entre estes estará o ex-diretor geral de Infraestruturas e Equipamentos,João Correia exonerado em fevereiro devido à perda de confiança da tutela.

Ao que a TVI apurou João Correia foi já detido pelas autoridades e é o único detido no âmbito das buscas realizadas no âmbito da contratação de obras públicas para edifícios do MAI, nomeadamente da PSP.

Entretanto, o Ministério da Administração Interna, já veio confirmar através de um comunicado enviado aos órgãos de comunicação social que «no âmbito de uma auditoria e processo de inquérito à Direcção-Geral de Infraestruturas e Equipamentos - realizado pela Inspecção-Geral da Administração Interna - foi determinado, pelo Ministro da Administração Interna, a remessa ao Ministério Público dos factos já apurados com eventual relevância criminal».

No comunicado lê-se, ainda, que «a Inspecção-Geral da Administração Interna prossegue os trabalhos no âmbito das suas competências» e que «o processo se encontra em segredo de Justiça».

As buscas realizadas no MAI estão a ser acompanhadas pelo juiz Carlos Alexandre. O processo por viciação nas regras de contratação, está na tutela do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Já de acordo com a informação avançada pela agência Lusa, a investigação envolve suspeitas de corrupção.

A Direção-Geral de Infraestruturas e Equipamentos (DGIE), alvo das buscas, é uma entidade do MAI dotada de autonomia administrativa, que tem como atribuições específicas a construção e remodelação de instalações das forças de segurança e serviços do MAI, planeamento e controlo dos investimento e centralização dos procedimentos de grandes aquisições.

Segundo indicou a PGR à Lusa, o detido será apresentado quarta-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal, com vista a ser submetido a primeiro interrogatório judicial pelo juiz Carlos Alexandre.

[notícia atualizada desde as 11:51]