O líder do grupo violento que espalhou o terror no Algarve no verão de 2012 foi condenado à pena máxima, 25 anos de prisão. Os outros arguidos, um homem e uma mulher, foram condenados a 13 e a 9 anos de cadeia.

Em causa estavam mais de três dezenas de crimes, entre os quais: homicídio, homicídio na forma tentada, sequestro agravado, roubo qualificado e incêndio.

Uma das seis vítimas, era um agricultor e foi morto à pancada.

Num outro caso, uma mulher foi sequestrada, agredida à pedrada na cabeça e largada no meio de um incêndio.

Ao todo, foram seis as vítimas, homens e mulheres, que sofreram várias agressões às mãos deste grupo, julgado no tribunal de Albufeira.

Pelos vários crimes, o cabecilha do grupo foi condenado a cerca de 80 anos de prisão. Em cúmulo jurídico foi condenado à pena máxima.

A arguida, a única em liberdade, não compareceu à leitura do acórdão.