Milhares de pessoas saíram, este sábado, à rua em 14 cidades para protestar contra as medidas de austeridade, mas só Lisboa e Porto registaram afluências significativas. Nas restantes cidades, houve apenas «minimanifestações» com dezenas de pessoas.

«Grândola» e muitas palavras de protesto

Manifestantes invadem McDonald's contra o capitalismo

Manifestação antitroika no Porto gera «guerra» de números

Aos milhares de pessoas que em Lisboa e Porto se manifestaram contra a troika, juntaram-se deputados do PCP, do Bloco de Esquerda e o coordenador da CGTP, Arménio Carlos.

O protesto promovido pelo movimento «Que se lixe a troika» terminou, na capital, cerca das 19:45 com os manifestantes a cantarem «Grândola Vila Morena» e a gritar palavras de ordem evocando o 25 de Abril.

Ao longo de mais de duas horas em frente à Assembleia da Republica, membros de várias organizações cívicas e sindicatos falaram aos manifestantes, intercalando os discursos com música de intervenção.



O público foi cantando e aplaudindo os discursos, que exigiam sobretudo a demissão do Governo, num protesto que decorreu de forma pacífica.



Os milhares de pessoas foram desmobilizando a partir das 19:00, restando uma hora depois apenas algumas dezenas de contestatários junto ao Parlamento.



A manifestação do movimento «Que se lixe a troika» realizou-se em 14 cidades portuguesas com o objetivo de protestar contra as políticas de austeridade do Governo.



As ações decorreram em Aveiro, Braga, Beja, Coimbra, Faro, Portimão, Funchal, Horta, Lisboa, Portimão, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu, com diferentes graus de adesão.