Documentos a que a TVI teve acesso comprovam que, dois dias antes da tragédia, pelo menos dez pessoas tinham confirmado a presença no fim de semana no Meco.

São notas escritas pela mão de Andreia Revez, uma das seis vítimas, que apontou também quem já teria pago até esse dia as despesas realizadas com o aluguer da casa e comida.

A TVI teve também acesso à ata da reunião do Conselho Oficial de Praxe Académica (COPA) da Universidade Lusófona que preparou este fim de semana e onde é visível o mal-estar entre alguns envolvidos.

As notas de Andreia Revez, datadas de 11 de dezembro, mostram que 10 pessoas confirmaram a presença no fim de semana de Maximum Praxis Concilium.

Para além dos seis mortos e do sobrevivente, eram esperados «Hot Sauce», nome de código de Pedro Cardoso, representante do curso de Arquitetura, Filipe Santos, representante do curso de Ciências da Comunicação e Cultura, e «Songoku», representante de Informática.

Sete dos 10 terão participado até esse dia com dinheiro na ajuda das despesas com o aluguer casa e a comida. A 11 de dezembro, já tinham pago Andreia Revez, Pedro Cardoso, Tiago Campos, Filipe Santos, Joana Barroso e Pedro Negrão, num total de 353,82 euros.

Um mês antes da tragédia, a 13 de novembro 2013, uma ata de uma reunião do COPA mostra que o fim de semana no Meco foi o quinto assunto abordado e que ficaram definidos os dias em que se iria realizar.

O dux, João Gouveia, que esteve na reunião com os representantes de Engenharia, Serviço Social, Gestão de Empresas, Arquitetura, Comunicação Aplicada e Design, alerta: «Quem não for é sinal de que não quer o melhor para o seu curso. Isto sem não haver uma razão bastante plausível».

Depois da sua eleição, há um mês, o dux sabia que tinha de haver uma mudança na comissão de praxe. A falta de adesão de pastranos e veteranos, sem vontade de praxar, passa a ser assunto recorrente e preocupante para o COPA. «Os pastranos estão mortos. Os doutores estão moles e há falta de pulso», lê-se na ata.

«Os representantes de Gestão, Arquitetura, Comunicação Aplicada, Informática e Turismo não entregaram o relatório do mês de outubro e, como sanção, teriam que entregar o mesmo documento escrito à mão sete vezes», acrescenta.

Outro sinal do mal-estar seria a vontade de Joana Barroso, uma das vítimas, de sair do COPA. «Dux diz que há um mês falou com a representante de Serviço Social sobre a dúvida de esta querer sair ou não do seu cargo. Há três anos o curso estava organizado. O ano passado havia o problema das pastranas e agora o problema continua o mesmo», refere a ata.

Notando a necessidade de mudança, «Hot Sauce» é promovido. «Dux diz que no curso de Arquitetura falta pulso. Hot Sauce será o novo representante», lê-se. Ouvido pela RTP, Pedro Barroso já negou a presença no Meco na noite da tragédia.