João Gouveia já foi ouvido, como testemunha, pelo procurador do Ministério Público. O único sobrevivente da tragédia manteve a versão que contou à polícia na noite de 15 de dezembro, ou seja, a morte dos seis alunos da Lusófona terá sido um acidente.

Meco: dúvidas só serão esclarecidas depois dos resultados das autópsias

Em documentos a que a TVI teve acesso, o mau estar entre os alunos da Lusófona sujeitos a praxes e o COPA já vinha do tempo em que o dux foi substituído por João Gouveia, dois meses antes da noite da tragédia.

Em atas, representantes do Conselho Oficial de Praxe mostravam-se cada vez mais preocupados com a falta de adesão dos estudantes às praxes mas também pelo facto de haver cada vez mais doutores e veteranos indisponíveis para praxar.

Para duas das vítimas, que morreram no Meco, aquele fim-de-semana seria o último como representantes do COPA.