A ministra da Justiça apelou, nesta sexta-feira, à serenidade, reagindo assim à manifestação da véspera das forças de segurança, que invadiram a escadaria do Parlamento contra as políticas de austeridade do Governo.

«Temos todos neste momento de ter grande, grande, serenidade. Compreendemos todos que passamos momentos difíceis, mas os Estados de direito têm regras. E portanto, pese todas as dificuldades, temos de manter a serenidade. As alternativas são todas muito, muito, piores», defendeu Paula Teixeira da Cruz, em declarações aos jornalistas, à margem de um seminário sobre serviços de informações, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

Questionada ainda sobre as declarações de Mário Soares de que o país caminha para uma nova ditadura, a governante respondeu: «Os senhores estão com toda a liberdade a fazer as perguntas que entendem. É isso compatível com a ditadura?»

Paula Teixeira da Cruz defendeu o lema «máxima liberdade, máxima responsabilidade» e considerou que é preciso ponderação. «Num momento tão grave como aquele que atravessamos, todos temos de ser muito responsáveis por aquilo que dizemos e temos de ter cuidado com as consequências daquilo que dizemos, e mais não comentarei.»

Escusando-se a qualificar as afirmações de Mário Soares feitas, a ministra insistiu: «Máxima liberdade, máxima responsabilidade. A cada um a sua liberdade e a sua responsabilidade, pelos atos e pelas afirmações.»

Já o chefe do Governo remeteu para o ministro da Administração Interna um comentário sobre a manifestação das forças de segurança, afirmando que Miguel Macedo falará à comunicação social ainda hoje.

«O sr. ministro da Administração Interna, tenho a certeza, falará hoje convosco», comentou apenas Pedro Passos Coelho aos jornalistas, após a sessão de abertura de um seminário sobre serviços de informações, na reitoria da Universidade Nova de Lisboa.