[notícia atualizada às 12:26]

O funcionário da Câmara de Machico, que ficou ferido, em estado grave, depois de cair ao mar quando procedia, nesta quarta-feira, à amarração de uma embarcação no porto de abrigo da cidade, morreu no hospital, informou o presidente da autarquia.

«O nosso funcionário acabou por morrer já no hospital, para onde foi transportado», declarou Ricardo Franco.

Segundo o autarca, a vítima, com cerca de 45 anos, «estava a tentar fazer a amarração de uma embarcação do Museu da Baleia», que tinha «amarrada a si outra com cidadãos alemães que ficaram no seu interior toda a noite».

«O funcionário estava a tentar fazer a amarração, para socorrer estes cidadãos alemães. Veio uma vaga de mar e projetou-o para o mar», adiantou Ricardo Franco.

Entre aquela hora e até às 10:20, a vítima esteve sujeita a manobras de reanimação no interior de uma ambulância dos Bombeiros Municipais de Machico, onde também estava a viatura da equipa médica de intervenção rápida, constatou a Lusa no local, tendo depois sido levada para o hospital dr. Nélio Mendonça, no Funchal.

Avião da SATA vindo do Porto Santo foi o primeiro a aterrar

Um avião da SATA-Air Açores proveniente da ilha do Porto Santo foi a primeira aeronave a aterrar hoje no Funchal depois das condições atmosféricas adversas (vento e chuvas fortes) terem condicionado a sua operacionalidade na terça-feira.

«Acabou de aterrar (09:05 horas) o avião do Porto Santo (SP 1691)», disse à agência Lusa fonte aeroportuária.

O arquipélago da Madeira esteve desde terça-feira sob o aviso meteorológico vermelho por causa de ventos fortes, agitação marítima e chuvas - e a partir das 06:00 horas de hoje passou a vigorar o aviso amarelo, facto que condicionou o tráfego aéreo entre a região e o exterior.

Em declarações à Lusa, o diretor da Aeroportos e Navegação Aérea da Madeira (ANAM), Duarte Ferreira, referiu que as condições atmosféricas de terça-feira afetaram 15 voos de várias procedências e um total de cerca de 3.000 pessoas (entre partidas e chegadas).

Fonte da Meteorologia no aeroporto da Madeira adiantou que «as condições de tempo de hoje não se comparam com as registadas na terça-feira, tendo melhorado significativamente».

A ANAM espera que as ligações aéreas entre a Madeira e o exterior sejam normalizadas até ao final do dia de hoje.

Mais de duas dezenas de embarcações afundadas

O comandante da Zona Marítima da Madeira, Félix Marques, disse que a forte agitação marítima registada na região provocou o afundamento de mais de duas dezenas de embarcações nos concelhos de Santa Cruz, Machico, Funchal e Calheta.

«Registámos o afundamento de um barco na marina do Funchal, 15 no porto de abrigo de Santa Cruz, seis no porto de recreio de Machico e dois na marina da Calheta», afirmou o responsável em declarações à Lusa.

Félix Marques referiu ainda que «a avaliação profunda» efetuada dá conta de «danos consideráveis nas estruturas de apoios, designadamente os pontões em Santa Cruz e Machico, que estão completamente destruídos, e prejuízos no Funchal».

Também o porto do Funchal sofreu «muitos estragos» ao nível de várias estruturas, casos de eletricidade, tubos de abastecimento de combustível, sistema informático ou zonas de embarque de passageiros, disse hoje a presidente da Administração dos Portos da Madeira.

«Há muitos estragos nos portos e o do Funchal é a nossa prioridade mais forte», afirmou Alexandra Mendonça à agência Lusa.