Os dois portugueses que ainda estavam sequestrados em Moçambique foram libertados esta noite, confirmou à TVI24 o secretário de Estado das Comunidades, José Cesário.

Trata-se de um homem e uma mulher. Ela tinha sido sequestrada na última terça-feira em Matola, cidade satélite de Maputo, a capital de onde tinha sido levado o homem de nacionalidade portuguesa, cerca de uma semana antes.

Já na passada quinta-feira tinha sido libertado um rapaz português raptado há duas semanas no centro da capital moçambicana.

A onda de sequestros violentos em Moçambique tem levado ao regresso de muitos portugueses. Numa semana, pelo menos 40 crianças foram retiradas da escola portuguesa de Maputo.

De acordo com informações do jornal «A Verdade», o rapto da mulher portuguesa na passada terça-feira ocorreu de forma violenta. «Os raptores entraram nas instalações, intimidaram os colegas da vítima e saíram com a vítima arrastada pelos cabelos até à viatura, que desapareceu. Há indicação que a cidadã é uma imigrante e não tem família em Moçambique», informa o jornal. A portuguesa exercia funções de gestora financeira.

O Governo português confessa preocupação com a comunidade que vive em Moçambique. Paulo Portas expressou essa preocupação sobre a instabilidade e violência ao ministro dos Negócios Estrangeiros moçambicano. Esta sexta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, reiterou que Portugal oferece a Moçambique «apoio e colaboração» para responder aos raptos.

Apesar da cautela, os dias vão andando em Maputo e o comércio continua a faturar. A TVI sabe, no entanto, que pelo menos uma multinacional está a dar ordem aos funcionários para deixarem o país.