O escritor José Luiz Passos foi o vencedor do Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura e dedicou a conquista aos seus alunos e a «todos os imigrantes que mantêm a língua [portuguesa] viva».

José Passos venceu o concurso na noite de quarta-feira (madrugada de quinta-feira em Lisboa), com o livro «O sonâmbulo amador», publicado pela editora Alfaguara.

O autor é pernambucano, mas mora nos Estados Unidos há 18 anos e, atualmente, dá aulas de literatura luso-brasileira na Universidade da Califórnia.

«Vivo num espaço eminentemente lusófono. O chavão do verso 'minha pátria, minha língua' é tão literal para mim que chega a ser vergonhoso», brincou.

O professor afirmou ainda que a convivência com a diáspora lusófona é o seu «quotidiano», mas que a maior parte de seus alunos na Califórnia é descendente de latino-americanos hispânicos, que procuram no português a terceira língua.

Passos tem dois romances publicados: «Nosso Grão Mais Fino» e «O sonâmbulo amador», ambos apenas no Brasil.

«Espero uma oportunidade para publicá-los tanto em Portugal e no espaço da lusofonia como nos Estados Unidos. Este prémio é o momento mais importante da minha vida como escritor», disse.

O livro vencedor do Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura fala de um funcionário da indústria têxtil em Pernambuco que, dois dias antes de se aposentar, faz uma viagem e acaba internado em uma clínica psiquiátrica, na qual escreve relatórios sobre suas crises, sonhos e rotina.

O autor contou que a ideia para fazer o livro surgiu após encontrar diários de seu pai, que já havia morrido, nos quais ele descrevia sonhos. O enredo do livro decorre nos anos de 1960, quando começou a ditadura militar no Brasil.

A curadora-coordenadora do prémio, Selma Caetano, afirmou que, nos últimos dois anos, a qualidade dos concorrentes cresceu em parte pela avaliação separada das categorias poesia, romance e conto/crónica.

«O júri se especializa e é possível ver na final excelentes trabalhos de cada categoria», afirmou.

Segundo a curadora, a poesia foi a categoria mais disputada de 2013, na qual todos os concorrentes tiveram votos dos jurados. Já «O sonâmbulo amador» foi «quase unanimidade» entre os jurados da categoria romance, cita a Lusa.

Selma Caetano realçou ainda que, na metodologia adotada para o prémio, os jurados apontam suas considerações em cada voto, mas não há uma justificação conjunta após a escolha do vencedor.