O fundador do BPP João Rendeiro e os ex-administradores do banco em processo de liquidação desde 2010 foram, esta terça-feira, considerados culpados pela insolvência do Banco Privado Português pelo Tribunal de Comércio de Lisboa.

Os advogados de João Rendeiro e dos ex-administradores vão agora analisar a sentença para decidir sobre se vão recorrer da decisão judicial, disse à Lusa fonte ligada à defesa.

Com a decisão judicial, o fundador do banco e os ex-administradores Paulo Ghichard e Salvador Fezas ficam inibidos de exercer atividade comercial durante oito anos e perdem qualquer crédito sobre o BPP, acrescenta o jornal Expresso.

Também os ex-administradores Fernando Lima, Paulo Lopes e Vítor Castanheira perdem, com a decisão judicial, o direito de reclamar qualquer crédito sobre a massa insolvente do BPP, acrescenta aquele jornal.

O julgamento, que começou em maio de 2013, foi desencadeado por um parecer da comissão liquidatária do banco, que considerou a insolvência culposa.

O Ministério Público concordou com o parecer da comissão liquidatária.