Entre 80 e 100 bombeiros, apoiados por quase duas dezenas de viaturas, combateram desde a 01:17 um incêndio num prédio na rua Rodrigo da Fonseca, junto ao Marquês de Pombal, em Lisboa.

Proteção civil vai avaliar segurança de edifício em Lisboa danificado pelo fogo

De acordo com a mesma fonte, o alerta foi dado à 01:17 tendo sido mobilizados para o local todos os meios disponíveis quer dos Sapadores, quer dos Voluntários de Lisboa.

«O prédio a arder é um edifício de sete andares que estava a ser reconstruído, está todo tomado pelo fogo e os bombeiros não conseguiram sequer circunscrevê-lo», acrescentou a fonte à Lusa.

Vídeos no YouTube mostram chamas impressionantes em Lisboa

Por precaução «os moradores dos edifícios contíguos foram retirados de suas casas», disse.

«Estamos a combater o incêndio e as informações ainda são escassas, mas temos todos os meios possíveis no local», disse na altura.

As labaredas são vistas a centenas de metros de distância, como testemunham vários relatos feitos telefonicamente à agência Lusa por moradores de diversos pontos da capital.

Pelas 03:30 da madrugada desta quarta-feira, o incêndio que deflagrou no edifício em obras foi dado como controlado, tendo entrado, em seguida, em fase de rescaldo, disse à agência Lusa fonte da Proteção Civil.

Cerca das 04:30, o diretor municipal de Proteção Civil e comandante do regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, tenente-coronel Pedro Patrício, fez um balanço do incêndio numa altura em que este já estava em rescaldo há cerca de uma hora.

Pedro Patrício disse que o prédio, de habitação, que se encontrava em obras de reabilitação era composto por um estrutura de madeira que estava a ser trabalhada e que o incêndio terá deflagrado do lado direito do terceiro piso numa «zona técnica» onde existiam quadros elétricos, sem avançar, contudo, para já com causas do acidente.

O mesmo responsável disse que a primeira preocupação dos bombeiros foi garantir a segurança dos edifícios contíguos e dos seus moradores, o que levou à evacuação de um edifício e de um hotel situado em frente ao prédio em chamas, apesar de, pelas 04:10, os moradores terem sido autorizados a regressar.

Já o hotel sofreu apenas alguns danos nas vidraças devido à acumulação de calor que terá provocado também a explosão de uma cabine elétrica da grua que dava apoio à obra.

No local estiveram 80 bombeiros, elementos da proteção civil municipal e da Polícia de Segurança Pública, apoiados por um total de 60 viaturas.

Os proprietários do imóvel estiveram a acompanhar o evoluir do combate ao fogo.

Esta quarta-feira de manhã, os serviços municipais de proteção civil vão inspecionar os edifícios vizinhos e o prédio sinistrado para apurar que trabalhos serão precisos e da necessidade ou não de demolição do prédio ardido.

Trânsito cortado na Rua Rodrigo da Fonseca

Veja aqui o balanço das operações esta quarta-feira de manhã.

O trânsito na rua Rodrigo da Fonseca, entre a Braamcamp e a Artilharia Um, em Lisboa vai permanecer cortado por tempo indeterminado, devido ao incêndio que deflagrou esta madrugada num edifício em obras, disse à Lusa fonte da PSP.

De acordo com fonte da divisão de trânsito da PSP de Lisboa, encontrava-se hoje de manhã no local do incêndio, o número 45 da rua Rodrigo da Fonseca, uma grua que operava no prédio de habitação, que se encontrava em obras de reabilitação, e que foi igualmente afetada pelo fogo.

«Não se sabe quais os danos na grua, pelo que continuamos no local para controlar o que pode acontecer», disse a mesma fonte.

O trânsito na rua Braamcamp, entre as ruas Castilho e a Alexandre Herculano, foi reaberto pelas 06:00.