A Força Aérea vai substituir a GNR na República Centro-Africana e, de acordo com o Diário de Notícias, o comando geral da Guarda foi apanhado de surpresa com a decisão.



Quarenta e sete elementos da Força Aérea vão tomar o lugar de 27 elementos da GNR e as despesas vão duplicar.

A missão estava estimada em um milhão de euros para seis meses e agora deve ascender aos dois milhões e meio em apenas três meses e meio.

Os elementos da GNR estavam em treino há várias semanas e até já teriam tomado vacinas e avisado as famílias.

O pelotão seria constituído por militares já presentes noutros cenários como Timor, Iraque e Bósnia.

O conflito na RCA dura há já um ano.