O vento forte e a falta de meios dificultaram o combate às chamas este sábado à tarde em Vila Real, num incêndio que rondou várias aldeias e queimou duas casas não habitadas, disse à Lusa uma fonte dos bombeiros.

O incêndio teve início em Soutelinho do Mezio às 07:30 de quinta-feira e na sexta-feira estendeu-se ao concelho de Vila Real. Chegou a estar dado como dominado durante a madrugada deste sábado, mas o vento forte e o calor provocaram uma forte reativação.

«Devido à constante necessidade de estar a movimentar meios, a partir do momento em que foi dado como dominado libertaram-se alguns meios aqui e não tivemos capacidade depois para segurar as reativações», afirmou Miguel Fonseca, comandante dos Bombeiros da Cruz Verde, de Vila Real.

«Estamos cercados», lamentava uma habitante de Vila Meã, que viu as chamas a aproximarem-se da aldeia.

Um outro morador daquela localidade, referiu que tudo «começou com uma fogueira pequena» que alastrou de forma «descontrolada». «O nosso Governo tem muitas ferramentas, mas não sabe trabalhar com elas», sublinhou.

Durante toda a tarde deste sábado, populares pegaram em giestas e mangueiras e ajudaram os bombeiros no combate às chamas.

Cerca das 18:00, Vila Meã era a aldeia que apresentava mais preocupações, onde chegaram a arder duas casas desabitadas.

As chamas rondaram ainda São Cosme, Ludares, Linhares, São Tomé do Castelo, onde foram posicionadas duas ambulâncias e efetivos do INEM para evacuar o lar de idosos, o que não veio a ser necessário.

Miguel Fonseca referiu que as principais dificuldades enfrentadas pelos bombeiros foram «a rápida evolução do fogo e a falta de meios, quer terrestres, quer de apoio aéreo».

«É um incêndio que está a progredir rapidamente também com muitas projeções, o que faz com que tenhamos de andar sempre a correr de um lado para o outro, com os poucos meios que temos está-se a tornar muito complicado», salientou.

O comandante dos Bombeiros da Cruz Verde adiantou que, com a chegada de reforços a este teatro de operações, «será possível dominar o fogo nas próximas horas».

De acordo com a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), foram mobilizados para o combate a este fogo 158 operacionais e 40 veículos.

No distrito de Vila Real lavram ainda mais dois incêndios, nos concelhos de Chaves, que mobiliza 99 bombeiros, e Valpaços, com 16 bombeiros.