Terminada a 3.ª fase de acesso ao ensino superior sobraram nas universidades e politécnicos 83% das 10.193 vagas levadas a concurso, e menos de metade dos 3.717 candidatos conseguiu colocação, segundo dados divulgados esta quinta-feira pelo Ministério da Educação.

De acordo com os números da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), às 10.193 vagas levadas a concurso em universidades e politécnicos da rede ensino superior público candidataram-se na 3.ª fase de acesso 3.717 alunos, mas menos de metade (1.724) conseguiu colocação. Sobraram, ao todo, 8.473 lugares, um número, ainda assim, inferior às 8.547 vagas por preencher registadas em 2012 no final desta fase.

Apesar de o número de vagas sobrantes e de lugares disponíveis no final da 3.ª fase terem sido este ano relativamente próximos dos registados em 2012, a grande diferença face ao ano anterior prende-se com o número de candidatos, que em 2013 foram menos cerca de dois mil em comparação com o ano anterior.

De acordo com os dados do ministério, apenas 181 candidatos à 3.ª fase não tinham sido candidatos a uma vaga no ensino superior público em fases anteriores. Dos 3.717 candidatos, 1.922 estavam matriculados nas opções nas quais ficaram colocados em fases anteriores.

Tendo em conta as três fases de acesso, foram colocados este ano 41.481 alunos, menos 2.595 do que os 44.436 colocados em 2012.

Os números da DGES demonstram que nem a redução do número de vagas iniciais levadas a concurso face a 2012 impediu que as instituições perdessem alunos, tendo em conta o número de lugares disponíveis. Por exemplo, a Universidade do Algarve, que este ano ofereceu menos 91 vagas do que em 2012, registou, no final das três fases, menos 289 colocados.

Os números da 3.ª fase confirmam também a tendência que se vinha a verificar desde a 1.ª fase do concurso, que aponta para uma quebra significativa no número de candidatos, mais acentuada nos institutos politécnicos.

Em termos percentuais, 81% das vagas iniciais foram preenchidas no concurso de 2013, menos 4% do que em 2012. E apesar de se ter registado uma redução de 2% do total de vagas iniciais face ao ano letivo anterior, em 2013 universidades e politécnicos perderam 6% de alunos, tendo em conta os já matriculados na 1.ª e 2.ª fases, e os agora colocados na 3.ª fase.

Os dados da DGES indicam ainda que 14% dos alunos colocados na 2.ª fase optou por não se matricular. Há instituições, como a Universidade do Algarve, ou o Instituto Politécnico da Guarda que apresentam uma percentagem superior a 20% de alunos colocados na 2.ª fase do concurso que não concretizou a matrícula.

Numa análise às colocações por área de formação constata-se que apenas a área de ciências da vida teve uma evolução positiva relativamente ao número de alunos colocados em comparação com 2011-2012, registando mais 64 colocados. Todas as outras áreas de formação perderam alunos.

Formação de professores, saúde, engenharias, ciências empresariais, ciências físicas, arquitetura e construção, saúde, serviços sociais e proteção do ambiente estão entre as áreas de formação com uma perda mais significativa de alunos matriculados e colocados face a 2012.

Os resultados da 3.ª fase do concurso nacional estão disponíveis na Internet (http://www.dges.mctes.pt), desde as 00:00 de hoje.

Os alunos colocados devem agora matricular-se entre hoje e 15 de outubro.