O investigador do Instituto de Medicina Molecular, Miguel Castanho, diz que «não há motivos para alarme em Portugal» no que respeita à propagação do Ébola.

O responsável lembrou, nesta sexta-feira, em declarações à TVI24, que «autoridades de saúde nacionais já fizeram questão de mostrar que estão preparadas».

A Organização Mundial de Saúde decretou, hoje, o estado de «emergência de saúde pública de carácter mundial» devido à epidemia.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) também já veio dizer que tem equipas específicas e material com um grau de proteção superior para atuar no socorro e transporte de casos suspeitos de Ébola até aos hospitais de referência.

O Hospital de São João, no Porto, foi um dos que teve formação na área, tendo já preparadas duas áreas de isolamento.