Uma doente oncológica acusa o Centro Hospitalar do Algarve de não ter medicamentos para o cancro. A utente diz que a falta de medicação na farmácia da unidade de Faro tem sido constante e quer garantias de que o tratamento não fica comprometido.

Desde 2012 que Maria João Deus, de 38 anos, luta contra um cancro na mama. Esta utente do Centro Hospitalar do Algarve necessita todos os dias de um comprimido de Letrozol, um medicamento que ajuda a prevenir o reaparecimento da doença.

Esta segunda-feira a utente conseguiu medicamentos para mais um mês, mas as incertezas quanto ao futuro levaram-na a pedir uma reunião com responsáveis do centro hospitalar.

Em comunicado, o Centro Hospitalar do Algarve reconhece que existem constrangimentos pontuais na dispensa de medicação e que sempre que acontecem são corrigidos com a maior brevidade possível. O Centro Hospitalar do Algarve esclarece ainda que as falhas se devem à integração das aplicações informáticas nas três unidades do centro hospitalar e não por motivos financeiros.