O secretário-geral da CGTP assegurou hoje que a manifestação que vai atravessar a ponte 25 de abril, em Lisboa, no dia 19 não ameaça a circulação ferroviária nem a segurança das pessoas e não deverá originar situações de violência.

Arménio Carlos disse aos jornalistas que a questão da segurança não se coloca, quer para a circulação ferroviária quer para os manifestantes que vão desfilar no tabuleiro superior, e lembrou as várias provas desportivas que têm ocorrido na ponte 25 de Abril.

«Temos fotografias de corridas na ponte enquanto o comboio passava, sem problemas, e quanto à segurança das pessoas, salientamos que o tabuleiro tem várias faixas de rodagem e que todo o controlo de acesso é feito na zona das portagens», disse acrescentando que a CGTP também gere a saída dos manifestantes em Alcântara.

Arménio Carlos, que falava aos jornalistas à saída de uma audiência com a presidente da Assembleia da República, disse que, se for necessário, as estruturas da CGTP podem disponibilizar pessoas para garantir a segurança dos acessos ao tabuleiro inferior da ponte.

«Quanto aos alegados problemas de violência na sequência da manifestação, toda a gente sabe que não há violência nas manifestações da CGTP», afirmou o sindicalista lembrando que o próprio ministro da Administração Interna tem reconhecido o rigor e o civismo com que decorrem os protestos da CGTP.

O Sistema de Segurança Interna (SSI) deu um parecer técnico desfavorável à realização, a 19 de outubro, de uma marcha de protesto da CGTP que inclui a travessia da ponte 25 de Abril, invocando diversos problemas de segurança.

A CGTP-Intersindical Nacional manteve a intenção de realizar a marcha na Ponte 25 de Abril considerando falsos os argumentos do parecer técnico desfavorável do Sistema de Segurança Interna.

«Isto deixou de ser um problema técnico e passou a ser um problema político e em democracia os problemas políticos resolvem-se com diálogo», disse o secretário-geral da CGTP-IN.

Arménio Carlos considerou que se justifica uma nova reunião com o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, e com os presidentes das câmaras municipais de Lisboa e Almada e do Sistema de Segurança Interna.

O sindicalista lembrou que a Inter já fez travessias de várias pontes do país, nomeadamente a ponte D. Luís, no Porto, sem qualquer problema.

A CGTP convocou para dia 19 uma jornada nacional de luta contra a austeridade e o empobrecimento, que inclui uma marcha com travessia da ponte 25 de Abril e outra marcha no Porto, com travessia da ponte do Infante.

A central sindical pediu a audiência à Presidente da Assembleia da República para lhe dar conta das suas reivindicações, nomeadamente a atribuição de subsídio social de desemprego, enquanto durar a crise, a quem já não recebe apoio social.