O único sobrevivente do naufrágio na Caparica que matou seis homens já deixou o hospital do Barreiro. Michel, 37 anos, mecânico de profissão, disse aos amigos e familiares que ainda tentou salvar um dos colegas mas sem sucesso.

Os sete homens residiam no Barreiro e na Baixa da Banheira, tinham entre 37 e 60 anos, e em comum a paixão pela pesca desportiva.

À saída do hospital, cerca das 15:00, Michel pouco conseguiu dizer aos amigos e familiares que o esperavam.

«Ele não consegue falar, agarra-se às pessoas a chorar», contou o amigo José Alberto Saraiva à TVI.

Seis dos sete tripulantes viviam no Barreiro. A embarcação «cochicho» saiu de uma garagem no alto do Seixalinho onde Michel é mecânico na oficina do pai. Ali trabalhava também o amigo que ainda tentou salvar.

«Conseguiu arrastar um colega dele de trabalho até à areia mas faltaram-lhe as forças ou o outro desistiu de viver. Houve alguém que o ouviu pedir socorro e que o foi salvar dentro de água ainda», disse o amigo do sobrevivente.

Aos dois mecânicos juntavam-se quase todos os fins de semana um antigo serralheiro, de 60 anos, o proprietário de um talho, além de outros três amantes da pesca, todos na casa dos 50.

José Alberto Saraiva, que explora o café situado na mesma rua em que trabalha o único sobrevivente, contou ainda que uma das vítimas mortais já tinha escapado a outros dois naufrágios.