As cantinas escolares vão começar a ajudar alunos e pais carenciados. É o caso de algumas escolas em Sintra e na Guarda.

Durante as férias de natal, as refeições que não forem consumidas nas três cantinas da cidade Guarda vão ser distribuídas a famílias necessitadas.

Em Sintra, nos arredores de Lisboa, pais, irmãos ou avós de alunos carenciados podem receber uma refeição quente a preços reduzidos.

Centenas de escolas vão ter os refeitórios abertos entre 18 de dezembro e 3 de janeiro.

Viseu segue exemplo

A Câmara de Viseu também anunciou hoje que as cantinas escolares da sua responsabilidade, nomeadamente as do pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, se manterão em funcionamento durante o período das férias de Natal.

Segundo o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques (PSD), «todo o pessoal auxiliar estará ao serviço nestes dias e o fornecimento que é garantido por "outsourcing" estará também disponível».

«O nosso compromisso com as famílias que mais precisam não tem férias, nem interrupções», sublinhou o autarca.

As crianças e os jovens de escolas de outros graus de ensino cujas cantinas são da responsabilidade do Ministério da Educação poderão também beneficiar deste serviço municipal no período de interrupção letiva.

Os casos de carência alimentar serão identificados pelas escolas para informação à Segurança Social, «tendo em vista um apoio de proximidade».

Em comunicado, a autarquia explica que «no período de férias escolares mantêm-se os preços e benefícios sociais das cantinas escolares da responsabilidade do município».

«As crianças que são beneficiárias de desconto ou isenção total de pagamento das refeições continuarão a beneficiar desse apoio», acrescenta.

De acordo com a autarquia, «a rede de cantinas escolares e sociais no concelho garante, atualmente, uma resposta de 100 por cento das necessidades alimentares de famílias carenciadas».

«Essas cantinas são o serviço comunitário e de assistência social para essas famílias», acrescenta.

Atualizado às 15:26