A Câmara de Amares foi assaltada durante a última noite, por alguém que «tinha as chaves» dos Paços do Concelho e que roubou cinco computadores portáteis onde consta toda a informação do Município, disse o presidente.

Em declarações à Lusa, Manuel Moreira (PS) afirmou não ter dúvidas de que se tratou de «um ato político, traçado cirurgicamente, por alguém que conhece muito bem os cantos à casa».

«Estou há três meses como presidente, ainda há aqui muitos sentimentos», referiu.

Segundo o autarca, não há qualquer fechadura arrombada ou danificada, pelo que o assalto foi consumado por alguém que teve acesso às chaves do edifício.

«As fechaduras foram mudadas há dois meses e só cinco pessoas têm as chaves: eu, o vice-presidente e a vereadora da Cultura, além das duas senhoras da limpeza», acrescentou.

A Câmara já abriu um processo interno de averiguações, tendo também o caso sido participado à Polícia Judiciária.

Manuel Moreira destacou o facto de só terem levado computadores, nomeadamente dos membros do executivo, da secretária do Gabinete de Apoio à Presidência e do informático, «onde está toda a informação» do município.

«Até o disco externo do computador do informático levaram, nota-se que sabiam muito bem ao que vinham», disse ainda.

De manhã, as viaturas do presidente e dos restantes dois eleitos do PS também apareceram vandalizadas, com os vidros partidos.

«Andaram a remexer o porta-luvas mas não levaram nada», adiantou Manuel Moreira.