Um incêndio na noite de Natal, na Amadora, deixou sem teto dez adultos e uma criança de seis anos. Viviam numa casa clandestina e, ao longo dos últimos dois dias, a TVI testemunhou as dificuldades em resolver o problema destas pessoas.

Todos os quartos da casa, alumiada por uma puxada de luz, estavam arrendados. A Proteção Civil selou o local na noite do fogo e o senhorio comprometeu-se a realojar os moradores, mas no dia seguinte os inquilinos dormiram ao relento.

Presente no local, a TVI contactou a Câmara Municipal da Amadora, que remeteu o assunto para a Proteção Civil por não se tratar de uma habitação camarária.

A TVI contactou a Proteção Civil e, de seguida, a linha de emergência da Segurança Social, que acabou por enviar uma equipa da Cruz Vermelha da Amadora.

Mas as responsabilidades passaram de mão em mão.