Cerca de meio milhar de alunos da escola secundária de Vila Real de Santo António recusou-se, esta segunda-feira, a ter aulas devido às más condições das instalações provisórias, utilizadas desde há cerca de quatro anos.

Os alunos concentraram-se à ao início da manhã junto à porta da escola, não entraram e contaram com o apoio da Associação de Pais e da Câmara local, depois de na semana passada a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) ter divulgado um relatório a apontar dezenas de falhas de segurança nos contentores utilizados como salas de aula provisórias enquanto decorrem as obras de modernização do estabelecimento, a cargo da empresa pública Parque Escolar.

«A posição da câmara é de total solidariedade com a comunidade escolar e com a associação de pais e é nesse contexto que aqui estamos, dando apoio a luta justa e que se vê reforçada com o relatório que conhecemos na semana passada, que consubstanciou o que vínhamos a afirmar com a ANPC a dizer que não havia condições para o funcionamento desta escola», afirmou à Lusa o presidente da Câmara, Luís Gomes.

O autarca frisou que a ANPC deu «até dia 10 de fevereiro para regularizar todo um vasto relatório de irregularidades» e disse não saber como a Parque Escolar, que é responsável pela obra de renovação e pela correção dos problemas, «vai descalçar esta bota».

Ernesto Ramos, da Associação de Pais, disse à Lusa que a manifestação desta segunda-feira «foi organizada por um grupo de alunos e desde a primeira hora a associação de pais esteve com eles e presente para reivindicar a entrega das salas que já estão prontas».

O representante dos encarregados de educação referiu-se a 21 salas de aulas que integram a segunda fase da obra - com ginásio e refeitório - e que a câmara, associação de pais e alunos dizem já estar concluídas e poderem substituir os contentores provisórios, já degradados e com problemas de segurança.

«Eles [alunos] decidiram manifestar-se porque sentem que não têm condições para ter aulas nos contentores», afirmou Ernesto Ramos, considerando que o relatório da ANPC, «em termos de segurança, é muito grave».

Este responsável da Associação de Pais manifestou a esperança de que «no dia 08 e dia 09 sejam as datas para efetivar a mudança» dos contentores para essas 21 salas.

Apesar de autarquia, alunos e pais dizerem que as salas estão concluídas, a Parque Escolar alega que só pode entregar a obra na sua totalidade, com todos os trabalhos terminados, tendo vindo a falhar todos os prazos de entrega previstos ao longo dos últimos quatro anos.

O protesto surgiu depois de, na quarta-feira, a Câmara de Vila Real de Santo António ter desaconselhado a utilização das instalações provisórias da escola secundária da cidade, após ter acesso ao relatório da inspeção da ANPC que alerta para dezenas de falhas de segurança, como obstrução dos caminhos de evacuação dos edifícios, a ausência de condições de segurança de todos os contentores ou o deficiente funcionamento dos equipamentos de iluminação de emergência e alarme.