Uma jovem de 19 anos com paralisia cerebral vai concretizar, no sábado, em Viana do Castelo, um seus dois sonhos com o lançamento do livro «Márcia Passos, entre mim & eu», disse esta sexta-feira, à Lusa, a mãe.

«Um dos grandes sonhos dela era editar um livro, o que vai acontecer amanhã [sábado]. O outro concretizou-se em setembro com o ingresso no ensino superior», explicou Cristina Passos.

O lançamento do livro de poesia vai decorrer às 21:30 num espaço cultural da cidade, junto ao Teatro Municipal Sá de Miranda.

A sessão de apresentação do livro de poesias, a cargo de Álvaro Maio, será marcada pela leitura de alguns dos poemas da jovem e pela participação da Tuna de Veteranos de Viana.

«É um livro em que conta o que lhe vai na alma. Os momentos de felicidade, tristeza e revolta. Desde muito cedo que a escrita foi forma mais clara que ela tinha de comunicar, de maneira a que fosse entendida».

Márcia Passos é uma jovem portadora de paralisia cerebral, «provocada durante o parto e que lhe deixou grandes sequelas a nível motor e de fala».

«A minha filha é uma grande lutadora desde o dia em que nasceu. Disseram-me que se sobrevivesse ficaria numa cadeira de rodas. Aos quatros começou a andar e partir daí tem sido sempre conquistas diárias. É um orgulho», afirmou.

Em junho passado concluiu o 12º ano de escolaridade, no ensino regular da Escola Secundária de Monserrate, em Viana do Castelo.

Em setembro último candidatou-se ao curso de Gestão Artística e Cultural do Instituto Politécnico de Viana do Castelo [IPVC] e ingressou na Escola Superior de Educação [ESE-IPVC].

«Estou grata desde já, a todos, nomeadamente, ao pai, à minha mãe, à minha família, às minhas raízes mais profundas. Estou igualmente grata a todas as instituições que me acolheram», sustentou a jovem.

Com a conquista dos seus «dois grandes sonhos» Márcia Passos diz ter apreendido uma lição.

«Aprendi que o uso da palavra "Anjos da Guarda" não é somente dedicado aos que partem mas sim, aos que ficam, aos que sofrem, aos que choram, aos que se emocionam, aos que me querem bem, aos que me amam pela pessoa que sou», rematou.