Cerca de 400 mil pessoas assistiram, este sábado, ao cortejo histórico - etnográfico da Romaria d' Agonia dedicado à vida e obra de Frei Bartolomeu dos Mártires, disse à Lusa fonte da VianaFestas.

«A cidade estava a abarrotar de gente. Seguramente estavam cerca de 400 mil pessoas espalhadas pelas várias ruas por onde passa o cortejo», afirmou António Cruz, presidente da VianaFestas, entidade que organiza a romaria.

Ao longo de um percurso de 2 300 metros, que demorou mais de três horas a completar, desfilaram pelas ruas da cidade 33 carros alegóricos em 165 números diferentes, distribuídos pelas componentes histórica e etnográfica.

Desde mordomas devidamente trajadas e carregadas de ouro a operários, lenhadores, ou até taberneiros, varinas e pescadores, este cortejo incluiu a encenação de vários episódios da vida e obra de Frei Bartolomeu dos Mártires por grupos de teatro locais.

Frei Bartolomeu dos Mártires foi arcebispo de Braga e a sua beatificação aconteceu com o papa João Paulo II, em 2001. Em Viana do Castelo ficou conhecido por ter mandado construir o Convento de Santa Cruz - depois designado de São Domingos, tal como a igreja contígua - mas sobretudo pela sua dedicação aos pobres.

Renunciou como arcebispo em 23 de fevereiro de 1582 e, recolheu-se no convento que mandou construir na cidade, onde morreu a 16 de julho de 1590 e onde se encontra sepultado.

Na tribuna de honra, instalada na avenida principal da cidade, Joana Vasconcelos, este ano presidente da comissão de honra da romaria assistiu ao desfile de tradições e costumes que durou mais de três horas.