O militante do CDS/PP Manuel Aranha, sétimo da lista do independente Rui Moreira, vai ocupar na Câmara do Porto o lugar deixado vago por Paulo Cunha e Silva, o vereador da Cultura que morreu na quarta-feira.

Manuel Aranha, engenheiro de 32 anos, revelou à Lusa que foi convidado e que aceitou ser vereador na Câmara do Porto, de forma a completar os seis lugares a que a lista do presidente da autarquia, Rui Moreira, tem direito no executivo.

Questionado sobre se vai ocupar o cargo a tempo inteiro e se vai ficar com algum pelouro, recusou adiantar detalhes, remetendo esclarecimentos para o presidente que na quarta-feira assumiu o pelouro da Cultura, até então tutelado por Paulo Cunha e Silva.

Depois de tomar posse, em outubro de 2013, Rui Moreira ficou com os pelouros do Desenvolvimento Económico e Social e o do Desporto, pelo que agora acumula a presidência com a tutela de três áreas.

Contactado pela Lusa, o adjunto de Rui Moreira para a comunicação, Nuno Santos, disse apenas que o autarca vai comunicar, no início da próxima semana, a reorganização da sua vereação.

Para já, os cargos são ocupados por Guilhermina Rego (vice-presidência, Educação, Organização e Planeamento), Manuel Sampaio Pimentel (Fiscalização e Proteção Civil), Filipe Araújo (Inovação e Ambiente) e Cristina Pimentel (Mobilidade), todos eleitos pela lista independente.

A estes somam-se os lugares assumidos pelos socialistas no âmbito de um acordo pós-eleitoral: Manuel Pizarro, candidato do PS à autarquia, ficou com o pelouro da Habitação e Ação Social, ao passo que Manuel Correia Fernandes, o segundo da lista do PS, tem o pelouro do Urbanismo.

Carla Miranda, a terceira da lista do PS, foi a única socialista eleita a quem não foi atribuído qualquer pelouro.

Engenheiro eletrotécnico, Manuel Aranha é militante do CDS/PP e ocupava o sétimo lugar da lista independente Rui Moreira – Porto, O Nosso Partido, vencedora das autárquicas de 2013 e representada na Câmara do Porto com seis eleitos.

O artigo 59.º das Competências e Regime Jurídico das Autarquias Locais define que “no caso de morte, renúncia, suspensão ou perda de mandato de algum membro da câmara municipal em efetividade de funções, é chamado a substituí-lo o cidadão imediatamente a seguir na ordem da respetiva lista”, até ser “esgotada a possibilidade de substituição prevista”.

A lista de vereadores suplentes de Rui Moreira é composta por Manuel Aranha, Rui Loza (que tem substituído os vereadores independentes em algumas reuniões do executivo e é o representante da autarquia na Sociedade de Reabilitação Urbana), Isabel Martins, Helena Tavares, Luís Rebelo, Mário Santos Pinto e Francisco Ramos (foi líder da concelhia do PSD/Porto entre 2004 e 2005 e diretor de campanha de Rui Rio nas autárquicas que lhe deram a primeira maioria absoluta, em 2005).

Nuno Santos, adjunto de Rui Moreira, adiantou na quarta-feira à Lusa que o presidente da Câmara do Porto tinha assumido naquela manhã o pelouro da Cultura e nomeado para seu adjunto Guilherme Blanc, braço-direito do vereador Paulo Cunha e Silva.

Paulo da Cunha e Silva morreu na madrugada de quarta-feira devido a problemas cardíacos e a presidência da Câmara anunciou ter decretado três dias de luto municipal pela morte daquele vereador.