O mau tempo que se faz sentir no país já provocou um morto. O homem que foi esta segunda-feira à tarde atingido por uma árvore em Braga morreu no hospital, adiantou à Lusa fonte hospitalar.

A vítima, com cerca de 30 anos, "estava a atravessar a rua na passadeira junto ao Tribunal quando apanhou com uma árvore que caiu provavelmente devido ao vento forte que se fazia sentir", explicou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Braga.


A vítima  "acabou por não resistir aos ferimentos e morreu no hospital".

Além daquele ferido grave, os ventos fortes e a chuva que se fazem sentir um pouco por todos o distrito causaram ainda um ferido ligeiro em Esposende, também na sequência da queda de uma árvore.

"Uma árvore caiu em cima de um carro que estava estacionado e acabou por ferir o condutor, mas sem gravidade", referiu à Lusa.


Em Guimarães, os Bombeiros Voluntários foram chamados a intervir na queda de duas árvores de "grande porte" em cima de viaturas, uma em Fermentões, outra em Urgezes, mas não há registo de vítimas. 

Mais um dia de mau tempo no Porto, mas esta segunda-feira o vento está a provocar maiores estragos: queda de árvores, partes de fachadas, chapas de edifícios, vidros de varandas que caíram para a via pública, sobretudo de casas devolutas, informou à TVI24 o Batalhão de Sapadores dos bombeiros da cidade.

"Há cerca de 15 a 20 situações pendentes, neste momento. Esteve muito vento e há muitos carros danificados. Não temos informação de vítimas, mas ainda não temos reconhecimento no local", adiantou fonte daquela unidade de bombeiros.


Há várias ocorrências em curso, como a queda de uma árvore no bairro do Falcão Novo, as chapas de edifícios soltas na Rua do Camões e outras na Rua do Heroísmo e na Travessa da Calçada, especificou. 

Na rotunda da Boavista, no acesso à Avenida de França, uma árvore caiu em cima de um veículo, sem causar feridos, disse à Lusa fonte no local segundo a qual o trânsito esteve totalmente interrompido até cerca das 19:40, altura em que uma das faixas de rodagem foi desimpedida.

Também em frente aos jardins do Palácio de Cristal, uma árvore de grande porte abateu-se sobre uma das faixas de rodagem da Rua D. Manuel II e pelas 19:30 impedia o acesso à Rua de Vilar e Rua de Entre-Quintas.

Pelas 16:10 a corporação dava por terminada uma operação na Rua 31 de janeiro que tinha estado encerrada ao trânsito por causa de queda de estruturas dos telhados.

O mau tempo na zona do Grande Porto está a provocar fortes constrangimentos na circulação automóvel e vários acidentes de trânsito na região, referiram à Lusa fonte da PSP.

As fortes rajadas de vento e a chuva intensa originaram a queda de uma árvore de grande porte na VCI, causando o congestionamento do trânsito, que apenas circula numa das suas três faixas de rodagem, acrescentou a mesma fonte.

Também a circulação do metro do Porto na linha Amarela entre as estações de General Torres (Gaia) e a Trindade, estará interrompida até às 06:00 de terça-feira por causa da queda de uma árvore, informou a empresa, que está a proceder à sua remoção e limpeza da linha. 

As condições climáticas adversas causaram, igualmente, danos na Torre do Lidador, no centro da Maia, que obrigou à criação de um perímetro de segurança e ao corte do trânsito, devido à queda de uma peça metálica do edifício, referiu fonte do município.

Por seu turno, os Bombeiros Sapadores de Vila Nova de Gaia reportaram, entretanto, à Lusa, a queda de uma árvore de grande porte no concelho, o que causou a obstrução de um acesso ao Centro Hospitalar de Gaia/Espinho.

De acordo com fonte daquela corporação, houve duas quedas de árvores de grande porte no concelho, separadas por minutos, tendo uma caído pelas 13:50 e a outra pelas 14:00, estando ainda operacionais no local a tentar resolver as situações. 

Uma das árvores obstruiu uma passagem de acesso ao centro hospitalar, conseguindo-se entrar para as Urgências, mas não sair, como explicou a mesma fonte. A outra ocorrência deu-se junto à igreja de Vilar de Andorinho, impedindo um caminho de acesso hospitalar. 

Mais a norte, na A3, dois despistes consecutivos ocorreram hoje por volta das 10:00, no sentido Santo Tirso-Famalicão, e provocaram dois feridos ligeiros, afirmou à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, acrescentando que o mau tempo terá sido um fator preponderante para a ocorrência. 

Minutos depois e no mesmo quilómetro, um segundo despiste de um veículo ligeiro de mercadorias, devido ao piso molhado, de acordo com os bombeiros. 


Mais de duas dezenas de árvores caem no Minho

O mau tempo provocou a queda de 27 árvores no Alto Minho, sendo que em Viana do Castelo, as fortes rajadas de vento derrubaram um poste de iluminação pública que caiu sobre uma viatura, mas sem causar feridos.

De acordo com o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo a queda do poste de iluminação pública ocorreu na freguesia Santa Maria Maior, e provocou "apenas" danos materiais na viatura "onde veio a embater, lateralmente".

Além de Viana do Castelo, concelho mais fustigado com dez ocorrências, Ponte de Lima registou sete quedas de árvores, sendo que na estrada nacional 203, na freguesia de Vitorino das Donas, o trânsito esteve cortado durante mais de uma hora para a remoção de "uma árvore de grande porte".

Nos restantes concelhos do Alto Minho também ocorreram várias quedas de árvores mas não provocaram constrangimentos na circulação automóvel.
 


Aveiro: mau tempo destelha duas casas 

O mau tempo que se faz sentir hoje também na região de Aveiro provocou a queda de dezenas de árvores sobre viaturas e destelhou duas casas, segundo disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.

Entre as 14:00 e as 16:00, o CDOS contabilizou um total de 35 ocorrências relacionadas com quedas de árvores e de estruturas, sem danos pessoais. Os concelhos situados na faixa litoral foram os mais fustigados pelo mau tempo.

Na escola João Carlos Celestino Gomes, em Ílhavo, uma árvore de grande porte caiu no recreio, mas não atingiu nenhum aluno.

O mau tempo provocou ainda o destelhamento de duas habitações, na freguesia de Esmoriz, em Ovar.

O Comando Distrital de Operações de Socorro registou também onze quedas de árvores em Viseu, uma das quais em cima de um carro, mas sem provocar vítimas.

Treze distritos do continente estão esta segunda-feira sob aviso amarelo devido à previsão de períodos de chuva e vento forte, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).
 
Se tiver fotografias do mau tempo, envie para euvi@tvi.pt